terça-feira, julho 20, 2010

sexta-feira, julho 02, 2010

Para observar a natureza



Procure um lugar seguro
onde não passem carros ou
animais de grande porte,
um lugar que não seja
próximo a formigueiros
ou vespeiros ou tocas de
outros animais

Isto a tua sensibilidade irá
dizer: dispa-se de sua mente
particular e procure um lugar
neste mundo vivo onde
outros seres em seu cotidiano
não se sintam ameaçados.

Utilize todos os seus recursos:
tato, visão, audição, olfato, paladar
mente e não-mente. Isto é assim
mas não há medo, abandone a insegurança
e encontre o lugar, pode durar apenas
alguns segundos, mas também horas ou dias

Deite-se ali mesmo, barriga para cima
sobre a terra, relva, pedra ou madeira,
areia, leito de rio ou galho de árvore.
Encontre uma posição estável e segura.

Olhe para o céu (dê preferência ao início
da manhã ou do meio da tarde em diante)
Agora não pense em nada, observe
sossegadamente a impermanência,
nasça a cada momento, para cada detalhe,
cada novo aroma, nova luz, nova cor,
incessantemente.

Observe o que vai de dentro de você
até a ponta de um ramo que balança com a brisa.
Permaneça imóvel, totalmente,
aparecerão coceiras e também aves no céu,
abra mão de se coçar, suporte.

Outros seres também experimentarão seu corpo,
irão toca-lo, cheira-lo, subir e andar
sobre ele, vagamente tateando com as
antenas ou desconfiados e ligeiros.

Observando a natureza, não espante os outros
seres, não os mate, observe.
Respire livremente apenas com o ponto equidistante
entre o genital e o umbigo - o centro.

Continue observando profundamente a
impermanência, perceba que sem reagir
a natureza se encarrega de si mesma,
ela é auto-perceptiva.

Isto assim é não fixar a mente nem
no céu nem na terra, nem nos galhos
das árvores, nem neste corpo.
Há agora uma perfeita gentileza entre
tudo e seu corpo ali deitado.

Perder-se assim é encontrar a natureza
sem dentro nem fora, estar no centro
do cosmos, escapar do sul e do norte,
do leste e do oeste.

Alguém, assim olhando de fora
talvez possa achar que é a morte
Olha que ponto de vista, outro ângulo
parece que já não há mais separação.

Se a morte não causar mais repulsa
Então a poesia estará intacta onde respira
e somente aquele que age poderá decidir
se isto é ou não poesia.